"Mulheres que mandam": o assédio moral entre mulheres policiais militares

  • Geni Francinelle dos Santos Alves UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA
  • Fábio Gomes de França Centro de Educação da Polícia Militar da Paraíba

Resumo

O fenômeno do assédio moral, o qual se desdobra a partir de causas que geram consequências econômicas, sociais e psicológicas, tem despertado o interesse da sociedade, especialmente por uma perspectiva socio-jurídica. Desse modo, pretendemos neste artigo estudar as relações e práticas sociais de mando e obediência engendradas entre mulheres superioras hierárquicas e subordinadas na Polícia Militar da Paraíba. O que está em jogo é o desenvolvimento das atividades no ambiente de trabalho, o que evidencia a adesão ao ethos viril e competitivo da cultura policial militar, o qual passa a ser reproduzido pelas mulheres na Corporação PM como forma de adquirirem espaços numa instituição de predominância masculina. Para tanto, por meio de uma abordagem qualitativa, realizamos dez entrevistas semiestruturadas com mulheres Praças e Oficiais, de modo a apreendermos os significados dados pelas mesmas às experiências cotidianas que reproduzem o assédio moral entre elas.

Biografia do Autor

Geni Francinelle dos Santos Alves, UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA
Mestranda do Programa de Pós Graduação em Ciências Jurídicas da Universidade Federal da Paraíba
Fábio Gomes de França, Centro de Educação da Polícia Militar da Paraíba
Doutor em Sociologia pela Universidade Federal da Paraíba
Publicado
2018-01-02
Como Citar
Alves, G. F. dos S., & França, F. G. de. (2018). "Mulheres que mandam": o assédio moral entre mulheres policiais militares. Revista Brasileira De Sociologia Do Direito, 5(1). https://doi.org/10.21910/rbsd.v5n1.2018.197
Seção
Artigos