Violência contra a mulher negra no Brasil

ponderações desde uma criminologia interseccional

  • Danler Garcia Universidade Federal de Uberlândia (UFU).

Resumo

Este estudo possui como escopo abordar como a violência contrária às mulheres negras brasileiras possui hostilidades singulares e complexas. As mulheres negras possuem identidades interconectadas por marcadores sociais da diferença para além do gênero, mas, outrossim, pela raça e classe. Nesse sentido, sexismo, misoginia, racismo e classismo, enquanto estruturas congregadas, consubstanciam em desiguais vivências e experiências concernentes à violência, mais árduas e hostis. Por intermédio do campo de estudos da interseccionalidade, precipuamente sua dimensão criminológica, vale dizer, a criminologia interseccional, este estudo, ao investigar os documentos de vitimização brasileiros e estudos teórico-empíricos, alude que as mulheres negras brasileiras padecem de violências múltiplas, a datar de uma violência simbólica que as hipersexualiza e objetifica, e que, ao fim, alveja seu ápice na desmedida violência letal que as aniquila. Assim, a cor da pele das mulheres negras no Brasil aparenta ser mais do que tão somente uma idiossincrasia fenotípica, mas um símbolo de vulnerabilidade e violência.

Biografia do Autor

Danler Garcia, Universidade Federal de Uberlândia (UFU).
Mestrando em Direito pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), onde é bolsista FAPEMIG.
Publicado
2020-05-01
Como Citar
Garcia, D. (2020). Violência contra a mulher negra no Brasil: ponderações desde uma criminologia interseccional. Revista Brasileira De Sociologia Do Direito, 7(2), p. 97-120. https://doi.org/10.21910/rbsd.v7n2.2020.381
Seção
Artigos