Pragmatismo, democracia e comunicação em John Dewey: aportes para a democratização da tomada de decisão estatal

Ricardo Cavalcante Barroso

Resumo


A fundamentação e a conformação das decisões estatais que produzem impacto social não são passíveis de serem adequadamente tratadas exclusivamente com base na avaliação de tecnocratas pautados no conhecimento científico. Exige-se, portanto, abertura democrática e participativa que aproveite o potencial de inteligência do homem comum talhado na realidade social. Dewey propõe que a democracia, como um modo de ser e viver, pressuponha a fé na inteligência do homem comum para responder com bom senso ao livre curso das ideias e fatos.  É pressuposto dessa participação popular permanente e livre a reunião, a investigação e a comunicação. O cidadão é fundamental para o enquadramento do problema sobre o qual o especialista se debruçará. Democracia, para Dewey, é, assim, experiência criativa, interação comunicativa e autodesenvolvimento. O acesso à informação é libertador e inclusivo. A democracia, além de um agir conjunto em sociedade, é, ainda, um direito humano gerador da autodeterminação. Neste sentido, é impositivo que o Estado proporcione por mecanismos comunicacionais e participativos a real influência do povo na tomada de decisão estatal sobre assuntos socialmente relevantes 

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.21910/rbsd.v5n2.2018.251

Apontamentos

  • Não há apontamentos.